Siga a gente
  • Instagram - White Circle
  • Facebook - White Circle
Buscar
  • By Claudia Prieto Neisa

Qual o Limite? Atividades Extracurriculares para seu Filho


Claramente sabemos que na maternidade não há regras e que cada criança tem sua individualidade bem como suas características, umas com mais energia (como que movidas à Duracel) e outras que precisam de suas horinhas de descanso durante o dia.

Mas também sabemos que há uma enorme e atrativa oferta de atividades extracurriculares disponíveis muitas vezes nas próprias escolas em período contrário ao das atividades pedagógicas, o que facilita muito a logística e “quase” que induz a se matricular os pequenos em toda a lista oferecida, afinal a criança que já frequenta a escola em período integral já está ali mesmo, né?! “Então vamos preencher o dia dela para que não fique tão ocioso na escola”, já ouvi diversas vezes essa frase, que certamente estava carregado de amor e carinho, sendo pensado e agido como uma solução positiva, claro, afinal como pais, sempre pensamos no melhor e se erramos, foi enquanto tentávamos acertar.

Essa semana me peguei pensando muito nisso, pois após 2 anos optamos em cancelar a matrícula dos Gêmeos em uma atividade extra que consideramos importante e buscamos desde cedo pra eles, o “Curso de Inglês”, quando matriculamos os gêmeos, foi muito mais por interesse que estava latente neles do que por considerarmos “vital”, como temos uma rotina de desde bebês viajarmos muito, em função do pai ser piloto de companhia aérea, eles sempre quiseram saber porque e como pessoas de lugares pra onde viajavam falavam diferente da gente e porque eles não conseguiam entender. Com o tempo foram entendendo que cada país tem a sua língua nativa e ainda muito pequenininhos diziam que estavam “falando em inglês” e ali arranhavam um “bla bla bla” qualquer. Conforme foram crescendo no dia a dia iam nos perguntando como falava em inglês “microondas” (por exemplo) e assim com diversos objetos do cotidiano, com muita frequência, então mostramos a eles que se quisessem poderiam fazer aulas em uma escola pra aprender mais e mais a língua inglesa e eles curtiram a ideia, então desde o início iam muito animados para as aulas semanais.

Por que ponderamos e cancelamos a matrícula?

A partir desse ano a escola (curricular) passou a adotar um programa bilíngue, no início quando soubemos dessa novidade, fomos categóricos em afirmar que não tiraríamos os gêmeos do curso extra curricular de inglês, afinal perderiam todo o trabalho feito até aqui, mas como maternidade é “terra de contradições”, o que um dia afirmamos com convicção o outro dia, já não temos tanta certeza assim, né, conosco não foi diferente.

Ponderamos muito, a proposta do programa bilíngue, que por sinal é excelente, a rotina mais “apertada” que terão a partir desse ano, já que agora estão uns moços do 2º ano e as responsabilidades na escola serão cada vez mais evidentes, como calendário de provas e trabalhos mensais, além das tarefas diárias e ainda considerando que cada um deles já tem suas atividades esportivas (Ballet para Sophia e Futebol para o Douglas) que participarão até quando se sentirem felizes e confortáveis, decidimos então que o ganho pra eles pode ser maior em darmos a possibilidade de dois dias livres durante a semana no horário contrário da escola, para que POSSAM SER CRIANÇAS, que além dos demais compromissos, talvez estávamos sobrecarregando esses dois pequenos com algo redundante e dessa forma os privando de brincarem, aproveitarem sua casa e a companhia um do outro que tanto curtem, percebemos que o caminho das responsabilidades a ferro e fogo é um “caminho sem volta” ou seja, cada ano que passará a escola exigirá mais e mais e logo mais terão que pensar em vestibular, cursos técnicos profissionalizantes, estágios e tudo mais que desejarem. Uma vez assisti a um vídeo do admirável educador Augusto Cury, que me deixou uma reflexão, lá ele dizia o quanto estamos sobrecarregando nossas crianças e por muitas vezes os “estressando” cada vez mais cedo, ele afirmava que uma criança de 7 anos hoje tem mais informação do que um imperador romano (na época), claro que sim, as informações hoje chegam intuitivamente à eles desde a barriga das mães, o que acho fantástico, inclusive falamos muito sobre isso no post GERAÇÃO ALPHA - COMO ESTAMOS LIDANDO (link para post: https://goo.gl/uNWDUA ), mas o que Augusto Cury quis nos alertar é sobre o olhar para nossos pequenos, da importância de não os pressioná-los desde cedo com a responsabilidade de por exemplo, obrigatoriamente se formarem em 1º lugar na melhor universidade do país, daqui à 20 anos . A vida não deve se resumir a isso.

Benefícios

Sim, as atividades extras podem ser nossas aliadas e muito benéficas para o desenvolvimento de nossos filhos, além de ser uma forma de elas aprenderem outros conteúdos, que não fazem parte das disciplinas ensinadas na sala de aula, também ocupam o tempo delas, mas desde que na dose certa, mas o exagero pode causar o efeito contrário e prejudicar o desenvolvimento do seu filho.

A escolha da atividade

Acredito que é fundamental a atividade ser uma escolha da criança, não quer dizer que todos os meninos vão amar futebol, ou todas as meninas serão bailarinas natas, por exemplo, respeitar a individualidade e vontade da criança certamente fará com que esses momentos sejam prazerosos para elas, aos pais cabe terem a percepção de até quando a criança está participando daquilo com alegria e se sentindo parte daquele meio e claro se depois de algumas tentativas a criança sentir que não curte aquele momento e de repente se tornou um peso e não um divertimento, vale repensar e quem sabe apresentar outras alternativas esportivas por exemplo.

A atenção deve estar em não projetarmos em nossos filhos nossas “frustrações”, como aquele pai fanático por futebol que não conseguiu ser jogador profissional que quer a todo custo tornar seu filho o próximo “Neymar” do Brasil.

Categorias das Atividades

Os cursos oferecidos se dividem basicamente em 3 categorias:

Corporais: são ligadas às atividade físicas e esportivas, como natação, ballet, futebol, equitação, dentre outras que podem ser esportes de competição que estimulam a sociabilidade, habilidades individuais e espírito de equipe ou mesmo esportes individuais, como falado antes, sempre importante identificar aquilo que seu filho mais se identifica para fazer a escolha.

Intelectuais: aqui se englobam os cursos de inglês (ou línguas estrangeiras no geral), kumon, cursos de redação (para os mais velhos), dentre outras.

Artísticas: nesse âmbito, desde muito pequenos já existem atividades à disposição, como a musicalização, hoje existem alguns centros educacionais voltados para o público de bebês à partir dos 6 meses para inseri-los à atividades que estimulem a habilidade de ouvir. E para mais tarde um pouco se englobam nessa categoria, aulas de canto, instrumentos musicais, coral, teatro e muitas outras.

#psicologia #educaçãoinfantil #augustocury #atividadesextracurriculares #primeirosdiasnaescola #educar #maternidade #maternidadereal #pais

75 visualizações