Buscar
  • Dra. Carla Celestrino Arca

É normal sentir dores na Gravidez? O que fazer quando elas vierem?


Na gestação a queixa de dor, sobretudo abdominal, é muito comum, passível de ocorrer em qualquer fase da gravidez e não significa que alguma situação mais grave esteja acontecendo.

É preciso, em primeiro lugar, dividir a gestação em fases, para que possamos compreender melhor a possível causa da dor e os fatores de alarme que podem significar que você deve marcar uma consulta mais urgente com seu médico ou mesmo procurar um pronto atendimento hospitalar.

Gestação inicial - primeiro trimestre

É a fase que compreende desde a fecundação até a 13a semana de gestação. Nessa etapa, o desenvolvimento ocorre rapidamente, de forma que aquela unica célula formada na fecundação (o zigoto) se torna um embrião formado, com atividade cardíaca e funções vitais.

É bastante comum a gestante ter uma sensação de dor no andar inferior do abdome (baixo ventre ou "pé da barriga") nessa fase, que muitas vezes se assemelha à dor tipo cólica pré menstrual. Isso ocorre devido à distensão uterina e crescimento do conteúdo intra uterino. Como o útero se trata de um órgão muscular oco, o preenchimento do mesmo com um volume que antes não existia pode causar esse tipo de dor. Além disso, constipação intestinal, azia, relfuxo e gases são causas de dor abdominal e também costumam aparecer bastante na gestação

Não é preciso se preocupar caso a dor seja leve e sem fatores adicionais. Caso, além da dor, você apresente sangramento, febre, ardência para urinar, diarreia ou mesmo um corrimento incomum, vale a pena procurar o médico para que sejam descartadas as possíveis intercorrências. Caso não seja esse o seu quadro, você poderá fazer um repouso, usar medicações como analgésicos simples e anti espasmódicos prescritos por seu médico e aguardar a melhora da dor. No entanto, na dúvida, sempre procure atenção médica, principalmente se for uma gestação de risco.

Segundo trimestre

Essa fase vai das 14 semanas de gestação até a 27a semana. Conseguimos ver uma mudança notável no corpo, o crescimento do abdome e perceber os movimentos do bebê. É uma fase muito gostosa e aproveitada, mas também pode ser atingida pelas mesmas dores abdominais, agora às vezes mais difusas e com alguma frequência.

Os sinais de alarme continuam sendo os mesmos que listei acima, porém agora outros podem ganhar importância, como discutiremos a seguir.

As contrações estão presentes praticamente toda a gestação, porém se tornam perceptíveis no fim do segundo trimestre. Elas são o "endurecimento" da barriga que muitas vezes ocorre em resposta a um movimento fetal, excesso de atividade ou em reflexo ao próprio estiramento da fibra muscular do útero com o crescimento fetal.

Quando elas são pouco dolorosas e raras, ocorrendo poucas vezes ao dia, duranto poucos segundos, não são necessariamente preocupantes. Porém, ao se notar aumento da dor ou mesmo um ritmo de repetição das contrações, vale a pena procurar atendimento médico.

Outro fator que deve ser considerado de alarme nessa fase, caso apareça junto à dor, é a diminuição ou ausência da movimentação fetal. Os fetos não se mexem o tempo todo, inclusive eles tem um período de sono dentro do útero, quando ficam mais quietinhos. Além disso, alguns costumam ser mais agitados e já outros mais calmos. Sempre esteja bem alimentada, hidratada e descansada para observar a movimentação de seu bebê. Se achar que a movimentação reduziu muito ou não perceber nenhuma movimentação durante o período da manhã ou da tarde, procure um pronto atendimento.

Observe também se houver perda de liquido via vaginal. Se ocorrer a saída de liquido claro, quente, em media à grande quantidade (escorrer pelas pernas, molhar roupas) também procure atendimento de urgência.

Também esteja mais atenta caso sua gestação seja de risco, como portadoras de pressão alta, diabetes, fumantes, gestação gemelar ou qualquer doença clínica em sequimento.

Terceiro trimestre

O final está próximo. Já passamos a 28a semana e tudo está correndo bem. Daqui pra frente as dores não serão apenas abdominais, mas também serão lombares, nas pernas e pés. Os fatores de alarme continuam sendo os listados acima e estes podem ser mais perceptíveis, dado que se torna uma gestação avançada com um bebê pesando já mais de 1 kg e maior quantidade de liquido amniotico, o que sobrecarrega toda a estrura ossea e pélvica materna.

Podem ocorrer as chamadas contrações de "treinamento", um falso trabalho de parto, chamado de contrações de Braxton-Hicks. Essas são contrações geralmente não ritmadas, bem espaçadas, tem períodos de melhora e de piora, tendem a cessar com repouso e/ou medicação, não se intensificam com o passar do tempo e tendem a se concentrar mais no abdome. Sendo assim, não desencadeiam, por si, trabalho de parto, mas podem ser causa de dor.

A partir da 37a semana de gestação já estamos falando de um bebê de termo, que pode dar sinais de trabalho de parto a qualquer momento. Fique atenta a dores abdominais que se iniciem nas costas e atinjam o abdome, endurecendo-o e que se tornem cada vez mais fortes e com intervalo curto entre elas (a cada 5 minutos). Se isso acontecer, se prepare, pois pode ser a hora de seu bebê nascer.

Carla Celestrino Arca

Médica formada pela UNICAMP

Obstetra e Ginecologista formada pelo Hospital da Mulher CAISM UNICAMP

CRM - SP 162361 RQE - 67996 TEGO - 76/2017

#obstetra #gravidez #gravidas #gestação #gestante #parto #doresnagravidez

0 visualização
Siga a gente
  • Instagram - White Circle
  • Facebook - White Circle