Siga a gente
  • Instagram - White Circle
  • Facebook - White Circle
Buscar
  • Bruna Cavallaro

Você Lê os Rótulos de Alimentos?


Você tem o hábito de ler os rótulos dos alimentos?

No geral as pessoas têm a tendência de estigmatizar os alimentos como bons e ruins muitas vezes pela embalagem.

Sabendo disso o marketing das indústrias fazem verdadeiras manobras e os rótulos que deveriam facilitar a vida dos consumidores no dia a dia, podem se tornar uma verdadeira armadilha nutricional.

Para a melhoria da saúde, as recomendações são sempre reduzir ao máximo os alimentos industrializados e evitar ultraprocessados, como salgadinhos de pacote, biscoitos recheados, macarrão instantâneo, hambúrguer processado e por aí vai.

Na realidade da vida moderna e dias tão corridos as pessoas tentam manter na rotina versões de alimentos prontos mais “saudáveis” que os tradicionais, mas para isso é preciso repensar o que você considera como saudável.

O ponto inicial é que um alimento saudável vai muito além de calorias. Não podemos ficar no raso. As calorias é uma das questões que devem ser observadas e para “classificar” um produto como bom ou ruim é preciso refletir sobre o restante das informações.

É necessário entender que existe o equilíbrio e as proporções. Por exemplo, um alimento pode ter uma quantidade de gordura um pouco mais alta (que nos rótulos são chamados de gorduras totais) e ainda ser considerada uma opção de consumo, desde que desse total, a quantidade de gorduras ruins saturadas seja mínima, a gordura trans zero e a maior parte seja de gorduras boas (chamadas de moni-insaturadas e poli-insaturadas).

Observe e opte ainda por produtos com maiores quantidades de fibras e menos sódio possível e não vá apenas pela beleza do rótulo, nome ou marca do produto. Exemplo, uma marca muito famosa de produtos integrais e orgânicos tem uma sopinha instantânea, mas isso não quer dizer que só por ser da marca é um bom produto. Nesse caso, apesar de legumes e vegetais orgânicos como composição, não ter conservantes e corantes o teor de sódio continua sendo altíssimo.

Depois de olhar e considerar esse conjunto da opera ainda temos a lista de ingredientes e procurar ainda a presença e excesso de corantes e conservantes. São muitos nomes, uma lista extensa, então os nomes não conhecidos, ou siglas de números como E102, no mínimo considere como uma “substância” suspeita ou ainda se tiver tempo ou paciência de um “google”.

Os ingredientes são escritos por ordem de composição, ou seja, se o primeiro ingrediente descrito for farinha enriquecida com ácido fólico e em seguida farinha de trigo integral enriquecida com ácido fólico, quer dizer o ingrediente em maior quantidade é a farinha branca. Mas de novo busque sempre se informar. Atualmente há várias marcas de pão de forma que declaram no rótulo como pão de farinha 100% integral, porém a indústria manteve o primeiro ingrediente a farinha de trigo integral e substituiu a farinha branca por glúten (proteína de trigo e outros cereais), ou seja, apesar de ser 100% de farinha integral o segundo ingrediente continua muito próximo da farinha branca.

Lembre-se ainda de que ser adicionado de vitaminas e minerais não abona a situação se todos os outros fatores forem péssimos, tipo bolachas recheadas e sucos de pozinho.

Apesar de não ser nada rápido e fácil a dica é que dedique sim um momento das suas compras para quando incluir um novo produto na sua alimentação ou de sua família. Busque trabalhar a educação nutricional do seu filho criando esses hábitos de ler rótulos, caso ele já entenda, e claro conte com sua nutricionista para entender melhor sobre os alimentos.

Bruna Cavallaro

Contato: https://www.facebook.com/maternoinfantilsjc/

#informaçõesnutricionais #rótulosdealimentos #nutrição #Nutricionista #alimentaçãoinfantil #alimentação

10 visualizações