Buscar
  • By Claudia Prieto

Socorro! Meu Filho Come Mal - Gabriela Kapim


Na semana passada à convite da rede de lojas Alô Bebê e Gêmeos Me Two estive no evento "Conversa de Mãe" que teve como uma das convidadas a Gabriela Kapim nutricionista e apresentadora do programa Socorro Meu Filho Come Mal no canal GNT, que eu sigo todas as temporadas desde que os gêmeos nasceram e com toda certeza atribuo à ela muitos pontos positivos da boa alimentação que os gêmeos tem hoje, pois a abordagem do programa sempre foi muito prática e real para as famílias de modo geral, dicas como os 5 Mandamentos, são regra aqui em casa desde sempre.

E claro, anotei tudinho para compartilhar com vocês um pouco do que vivenciei por lá, afinal o que é bom e prático na maternidade tem que ser multiplicado né?!

Quem ainda não assistiu ao programa vale dar uma espiadinha lá no GNT Play e encontrar alguns episódios, que consiste em uma visita da Gabriela Kapim à casas de famílias que consideram que seu filho tem dificuldade para se alimentar bem, cada episódio uma família diferente e é fantástico como a Kapim consegue diagnosticar exatamente onde deverão ser feitos ajustes na família para sucesso.

Kapim criou os 5 MANDAMENTOS para ajudar tanto aos pais participantes do programa quanto nós em casa a criar uma boa relação com a alimentação, esses são mandamentos sagrados aqui com os gêmeos, por isso vou falar sobre cada um e exemplificar um pouco como tudo acontece por aqui:

1º COMER SENTADO À MESA

Esse é um hábito que está cada vez mais em "extinção" nas famílias, mas que por aqui SEMPRE fizemos questão de manter (salvo raríssimas exceções, quando estão doentinhos por exemplo). Sentar a família toda à mesa é uma oportunidade e tanto de boas conversas e troca de experiências. Kapim mencionou o que na teoria nós mães sabemos muito bem que SER EXEMPLO para nossos filhos é o que vale, não adianta dizermos o que eles devem fazer se não formos exemplo para eles né. Ela considera importante a presença de todos à mesa na hora das refeições inclusive quando os filhotes ainda são bebês, e podem acompanhar as refeições do seu bebê conforto ou cadeirinha de balanço por exemplo, ali o bebê já vai vivenciando esse momento de inter relação entre a família.

2º COMER SEM DISTRAÇÃO DE ELETRÔNICOS (CELULAR / TABLET /TV ETC)

Com certeza no que diz respeito à hora da refeição esse é um dos grandes problemas da atualidade, Kapim explica que a criança precisa saber o que está comendo e além de estar fechada em um mundo virtual e não se relacionar com os demais membros da família no horário da refeição, muitas mães usam esses eletrônicos como aliados para que a criança "engula tudo goela à baixo" sem dar trabalho e muito menos ter noção do que está comendo, o que ela considera um grande prejuízo, pois o organismo sequer se prepara para receber / ingerir aquele alimento causando perda nutricional.

Tanto nos programas quanto nesse encontro Gabriela Kapim falou muito sobre a importância de NÃO escondermos no prato a comida que a criança não gosta, como bater tudo no liquidificador e misturar no feijão por ex. O combinado aqui em casa, especialmente quando os gêmeos eram menores sempre foi deixar no cantinho do prato aquilo que eles diziam não gostar, eu dizia que assim eles iam "fazendo amizade" com o "terrivel brócolis" por exemplo e encontrando com ele sempre por ali, quem sabe um dia ele deixe de ser tããããoooo terrível assim né, posso afirmar que em diversas vezes, fatalmente o resultado ao longo do tempo era eles próprios sem muita pretensão e até sem eu comentar nada começavam a experimentar sozinhos e daí em diante "se tornaram amigos" até hoje.

3º FAZER O PRÓPRIO PRATO

Esse foi um mandamento que demorei muito, mas muito mais para colocar em prática por aqui, apesar de concordar com a colocação da Kapim que é importante a criança se apropriar do que irá comer e ajuda aos pequenos a desenvolver a autonomia.

4º TER "5" CORES NO PRATO

Todos sabemos que um prato colorido oferece nutrientes variados e sem dúvida uma alimentação mais rica. A ideia que a Kapim sugere é que consigamos colocar à mesa alimentos variados e que entre os alimentos ali presentes a criança escolha no mínimo entre 5 deles, na opinião dela (e eu concordo) quanto maior a oferta de variedade maior a chance de garantir uma boa combinação nutricional e isso não deve ter negociação.

Aqui em casa esse foi o mantra diário das refeições "5 cores no prato.... 5 cores no prato" e sempre, todos os dias contavam quantas cores cada prato tinha, claro que vez ou outra, faltava uma cor como opção, dia de almoço mais corrido por exemplo, daí ficavam me cobrando o porque aquele dia não tinha as 5 cores. Até hoje, claro que já não diariamente, mas isso já é um fato que fará parte da memória afetiva dos gêmeos com certeza, e tenho um enorme orgulho de ter Gabriela Kapim nessa memória da minha galera por aqui....

5º EXPERIMENTAR NOVOS ALIMENTOS SEMPRE

Tornar a relação com a comida leve e descomplicada eu acredito ser o grande segredo do sucesso no interesse das crianças por experimentar novos alimentos, falo muito para os gêmeos sobre as escolhas inteligentes que deveremos fazer ao longo da vida em todos os aspectos, não só referente à alimentação e a forma como iremos nos alimentar depende exclusivamente de nossas escolhas e só nós seremos beneficiados por isso, mostro sempre pra eles que o contrário também é verdadeiro, se optarmos SOMENTE por alimentos práticos, ultra processados e empacotados, certamente nossa saúde pagará um preço alto por isso no futuro.

Quando Kapim diz que "ensinar a criança a pensar sobre hábitos saudáveis é tão importante quanto ensinar que devemos usar sinto de segurança no carro porque é seguro, salva vidas da mesma forma" foi o ponto alto do papo com ela aquele dia, me fez pensar o quanto somos responsáveis "MESMO" pela vida saudável de nossos filhos.

Outra informação que tomei conhecimento em uma consulta médica com a endocrinologista da Sophia e Kapim repetiu a mesma coisa é que nossas papilas gustativas são renovadas constantemente (aproximadamente à cada 10 dias), então a chance de passarmos a gostar de um alimento que considerávamos ruim é muito grande e muito mais frequente do que eu imaginava.

Quando o assunto é INTRODUÇÃO ALIMENTAR Kapim sugeriu que não se deve prender à uma técnica, que devemos apresentar diversas formas do alimento para o bebê e que a mãe vá percebendo qual a forma melhor aceita por seu pequeno. O maior terror das mães é que a criança se engasgue e que de fato pode acontecer, porém é muito importante que consigamos tentar manter a calma e não transparecer para a criança nosso desespero, para que ela se sinta segura e perceba que engasgou e passou, ficou tudo bem, claro que esse talvez seja o maior desafio para nós né, um episódio de engasgamento pode ser bem traumático, mas é muito importante que consigamos passar segurança para nossos filhos.

Pra encerrar a dica mais valiosa que Gabriela Kapim nos deixou foi NUNCA SUBSTITUIR O ALIMENTO desprezado pela criança por outra coisa, NUNCA. ela considera esse um dos maiores erros, na intensão de não "sacrificarmos" nossos filhos, inclusive quando o bebê ainda mama no peito, essa substituição é um hábito que tende a piorar com o tempo e a criança nunca vai se interessar pela comida saudável, já que não passará fome, ela logo poderá mamar ou comer o que ela quiser. “No desmame, se a criança rejeita a comidinha e é oferecido o peito, por mais que o leite seja o melhor alimento que um bebê possa ter, já é uma conduta comportamental que vai criar um comportamento inadequado que é: se eu rejeito, ganho o que eu quero”

Cláudia Prieto Neisa


0 visualização
Siga a gente
  • Instagram - White Circle
  • Facebook - White Circle