Siga a gente
  • Instagram - White Circle
  • Facebook - White Circle
Buscar
  • By Claudia Prieto Neisa

"Já chegamos ao ponto em que o pediatra tem que prescrever: 'Brincadeira' para seus pac


Dr. Daniel Becker, pediatra abriu o Seminário Internacional de Mães e certamente foi um dos que passaram por aquele palco que mais me impactou. Me fez olhar para o "meu maternar" com um certo senso de responsabilidade ainda mais aguçado, simplesmente mostrando que o tempo passa sim e cabe a nós "fertilizarmos nossos filhos com bons hábitos, pois somos o que ingerimos", não necessariamente ele se referia à alimentação, mas aos nossos hábitos de modo geral. Que tipo de informação estamos consumindo? Que escolhas temos feito? Enfim, do que estamos nos "fertilizando"?

Dr. Becker foi categórico ao afirmar que nós pais estamos perdendo espaço para a mídia no que diz respeito à referências para nossos filhos, eles sempre terão as respostas nas mídias e internet e nós cada vez mais estamos nos distanciando e perdendo a intimidade com nossas crianças, uma vez que passamos horas distraídos em nossos celulares, cada vez menos dispostos à uma partida de futebol com as crianças por exemplo. Não me sai da cabeça uma frase dita pelo pediatra "as memórias afetivas tão importantes na vida adulta, serão sem a nossa presença", definitivamente decidi que quero sim fazer parte de todas as memórias afetivas da vida adulta de meus filhos, sinto que não podemos deixar que o tempo passe sem agirmos em busca de resgatarmos esses momentos.

Me incomoda muito observar muitas vezes a busca incessante pela "felicidade" dos filhos de modo geral, vejo muito isso no meu dia a dia pelas redes sociais, onde a necessidade do imediatismo tem ganhado muito espaço com a era digital, muitos pais tem como objetivo principal "livrar" seus filhos de qualquer sofrimento, frustração, conflitos e até do tédio, tudo é liberado desde que seja em prol da "felicidade" da criança, eu sempre agi um pouco na contra mão, certamente pago o alto preço "do julgamento materno", pois acho muito importante que enquanto crianças nossos filhos saibam lidar com as frustrações e saibam ouvir e entender os "porquês" de tantos NÃO's que escutam, senti um certo alívio ao ouvir do Dr. Daniel Becker quando disse que "procurar sentido / propósito para a vida é mais importante do que a busca da felicidade fútil ou passageira" ele acrescenta e eu aplaudo quando diz "Só encontramos felicidade buscando sentido para a vida".

Me chamou a atenção de forma assustadora quando ele afirma que nossas crianças estão sendo exageradamente diagnosticadas e medicadas para diversos tipos de "transtornos", mesmo sendo crianças sem doença nenhuma, pois está havendo uma dificuldade de compreensão de pais e muitas vezes escolas ao lidar com crianças um pouco mais "agitadas" que o padrão, no entanto com comportamentos infantis absolutamente normais, tudo isso aliado à influência da indústria farmacêutica.

Eu não podia ter escolhido melhor título para essa matéria do que "Já chegamos ao ponto em que o pediatra tem que prescrever: 'Brincadeira' para seus pacientes", beira ao bizarro, mas ouvir um pediatra afirmar isso é muito preocupante, pois o que para na nossa infância era tão natural e normal "brincar" hoje parece que está perdendo espaço com tantos compromissos que nossos filhos "precisam" ter (escola período integral, aulas de natação, futebol, basquete, inglês, judô, mandarim, ballet, xadrez, interpretação, robótica etc etc etc), aliados à escolas que estão tão preocupadas em formar alunos que ingressem em 1° lugar em grandes universidades ou tenham as melhores notas no Enem, que estão esquecendo de olhar para as habilidades pessoais de cada um e o brincar, tão fundamental está ficando de lado ou sendo substituído por uma tela de celular ou tablet.

Ainda com relação aos uso excessivo de eletrônicos, Dr. Daniel nos lembrou que a geração de adolescentes de hoje é fruto da primeira geração pós Iphone (2007), e nos convidou a observar os resultados desse ingresso desenfreado da internet em nossas vidas. Ele nos sugeriu fazermos "combinados" muito bem estabelecidos e claros com a participação de toda a família para o uso de celulares no dia a dia, para que aos poucos possamos resgatar o tempo melhor aproveitado com o que temos de mais valioso, nossos filhos, deu como exemplo o "dízimo", que nada mais é do que a doação de 10% do seu bem ao sagrado, fazendo uma analogia, nos sugeriu uma doação de 10% de nosso dia (das horas que estamos acordados) dedicados com qualidade àquilo que nos é mais sagrado e precioso "nossos filhos". Pois, afirma que "não são ações isoladas que irão definir o futuro dos nossos filhos", ou seja, serão ações do dia a dia com olhar atencioso, respeitoso e presente que refletirão em adultos seguros e responsáveis.

Cláudia Prieto Neisa

#semináriodemães #Maternidade #eradigital #pediatramãe #pediatriaintegral

43 visualizações